Skip to content Skip to footer

LEITURA DE
PORTFÓLIO 2020

As leituras de portfólio ganharam

 ainda mais projeção na programação

do FotoRio 2020 VIRTUAL

As leituras de portfólio ganharam ainda mais projeção na programação do FotoRio 2020 VIRTUAL. Pensadas como um espaço de troca e de diálogo, as leituras aconteceram de 25 a 27 de novembro de 2020 na sua casa! Diante da instabilidade que vivemos face ao COVID-19, esse ano as leituras de portfólio foram virtuais.

E o FotoRio 2020 VIRTUAL trouxe muitas novidades. Tivemos pelo sexto ano consecutivo o Prêmio Revelação – Leitura de Portfólio, dado ao melhor portfólio escolhido pelos leitores dentre pessoas iniciantes que ainda não tiveram a oportunidade de expor, e atribuimos mais dois novos prêmios: o Prêmio América Latina de consagração ao melhor portfólio latino americano e o Prêmio FotoCelular ao melhor portfólio feito com um aparelho celular. Tivemos também o Destaque Tamo Junto, escolhido pela equipe do festival, para ensaios que promoveram temas sobre a diversidade.

Leitores

Conheça os nomes que estarão conosco ao longo dos nossos dias de leitura. Após a identificação dos leitores que interessam a sua pesquisa, realize abaixo a sua inscrição e aproveite o evento.

Ana Casas Broda, Editora Hydra (México)

Datas: 25, 26 e 27 de novembro de 15:20h às 18:10h

Portfólio: todo tipo de portfólio

Línguas: espanhol e inglês

Bio: Ana Casas Broda (Espanha, 1965) vive e trabalha no México desde 1974. Estudou Artes Visuais, Fotografia e História na Espanha, Áustria, Nova York e México. O seu trabalho centra-se na exploração da identidade, da memória e da sua ligação com o meio fotográfico. Ele expôs em diferentes países individualmente e coletivamente. Publicou dois fotolivros na Espanha: Álbum, (Mestizo, 2000), e Kinderwunsch, (La Fábrica, 2014), que recebeu o Prêmio de melhor livro de arte editado de 2014 do Ministério da Educação, Cultura e Esportes da Espanha. Ela apresentou seu trabalho em mostras individuais no México, Espanha, Bélgica, Áustria, Uruguai e outros países. Kinderwunsch foi indicado para o Prêmio Deutsche Börse em 2015. Desde 1990 organiza programas de estudos, seminários, workshops, festivais sobre o meio fotográfico em instituições como o Círculo de Bellas Artes, Madrid; 1994 – 1998 ela fundou e coordenou o programa educacional no Centro de la Imagen, Cidade do México; 2002-2006 o programa FotoGuanajuato; 2007 – 2015 coordenou o Seminário de Fotografia Contemporânea do Centro de la Imagen e do Centro de las Artes de San Agustin, Oaxaca. Ministrou workshops, revisões de portfólio e palestras em diversos lugares do México, Espanha, Uruguai, Argentina, Chile, Colômbia, entre outros.

 

Datas: 25 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: trabalhos de temas políticos e artistas latino americanos

Línguas: espanhol

Bio: Andrea Jösch Krotki (Arica, 1973) é fotógrafa, mestre em gestão cultural, Universidade do Chile. É diretora do mestrado em pesquisa – criação de imagem e coordenadora de pesquisa e criação artística da Faculdade de Letras da Universidade Finis Terrae. Fundadora e editora da revista de fotografia sul-americana Sueño de la Razón (desde 2009). Professora, editora e pesquisadora em questões de fotografia e imagem. Atualmente é curadora convidada do 2º festival de fotografia MUFF (2020-2021) do Centro de Fotografia de Montevidéu, CdF.

Datas: 27 de novembro de 14h às 15:10h

Portfólio: fotografia urbana e de arquitetura

Línguas: espanhol

Bio: Angel Huera é formado na faculdade de artes “Universidad Central Del Ecuador”. É fundador do FOTOFEST Ecuador 2007 e BIFADC 2011 – BIENAL INTERNACIONAL DE FOTOGRAFÍA ARTÍSTICA DIGITAL CONTEMPORÁNEA”. Trabalha como professor, pesquisador, curador independente, artista plástico, fotógrafo e gestor cultural. Publicou “Quito Arquitectura en luz”, “Orquídeas

Macro fotografia”, Hijos del mar Fotografía documental”. Atualmente é diretor executivo da “BIFADC”.

Angela Berlinde, curadora independente (Portugal/ Brasil)

Datas: 25 e 26 de novembro, período manhã de 9h às 12:30h

Portfólio: todo tipo de portfólio

Línguas: português, espanhol e inglês

Bio: Artista e Curadora, Ângela Berlinde é Pesquisadora em Pós Doutoramento na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É doutora em Comunicação Visual e Expressão Plástica pela Universidade do Minho e o Mestrado em Fotografia Digital, pela Utrecht School of Arts-Holanda. É docente na Escola Superior de Media Artes e Design do Instituto Politécnico do Porto em Portugal e atua no domínio de investigação sobre as formas híbridas da fotografia, em cruzamento com outras linguagens, tais como a Pintura, o Cinema e a Literatura. É curadora de projectos culturais e exposições de arte contemporânea em Portugal e no Brasil e publicou obras de Fotografia e Texto sobre a Índia portuguesa e sobre a Fotopintura no Nordeste do Brasil. Foi curadora convidada no Festival GoaPhoto em 2019, no Korea Photo Festival e na Bienal de Fotografia de Beijing na China em 2018. Integra desde 2017 o Conselho de Curadores do Museu da Fotografia de Fortaleza, no Brasil. Vive entre Portugal e Brasil.

Angela Magalhães e Nadja Peregrino, curadoras independentes (Brasil)

Datas: dias 25 e 26 de novembro, no período da manhã de 9h às 12h30 e da tarde de 14h às 18h10

Portfólio: todo tipo de portfólio

Línguas: português e espanhol

Bios: Angela Magalhães é formada em Comunicação Social pela UFRJ(1980). Foi bolsista da Fulbright / Capes junto ao International Center of Photography e a Aperture Foundation, NY (1988/89). Na coordenadoria de exposições do Instituto Nacional de Fotografia da Funarte, em parceria com Nadja Fonsêca Peregrino, fez a curadoria de mais de uma centena de mostras entre elas, José Medeiros-50 anos de Fotografia (1986). No período de 1990-2003, dirigiu o Setor de Fotografia da Funarte promovendo diversas atividades: concurso Marc Ferrez de bolsa de pesquisa; seleção de portfólios; edição de livros (coleção Luz e Reflexão) e o Prêmio Nacional de Fotografia (1995-98). Em 2004, lança o livro Fotografia no Brasil: um olhar das origens ao contemporâneo, Funarte/MinC, em parceria com Nadja Peregrino. Nos anos subsequentes, como curadora- pesquisadora independente, associada à Nadja Peregrino, realiza as mostras Uncertain Brazil (coletiva de quinze fotógrafos, Pingyao International Photography Festival, China (2010); e Paths of Faith (coletiva de seis fotógrafos), PhotoVisa-III International Festival of Photography, Rússia, 2011. Na área de publicações participam da edição dos livros Mato Grosso-Território de Imagens (Secretaria de Cultura do Estado de Mato Grosso, 197pg. 2008); e Physis-Soma – o corpo, a expressão e a poética do movimento, Editora Tempo & Memória (2013).

Camille Gajate, diretora do festival de fotografia BZH PHOTO e curadora (França)

Datas: 25 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólio: todo tipo de trabalho

Línguas: francês, inglês, espanhol, italiano, japonês et entende o português oral mas responde em espanhol

Bio: arquivista treinada nas coleções fotográficas do Museu Guimet e nos Arquivos de Fotografias Antigas da Universidade de Nagasaki, Camille Gajate trabalha com a conservação da fotografia e a valorização de seu valor artístico. Se formou no Instituto Nacional de Línguas e Civilizações Orientais (INALCO), em Paris, com o desejo de compartilhar as coleções. Reorientou-se em 2016 e obteve o título de Gestora Cultural e Curadora de Exposições no IESA, Paris. Ao fazê-lo, Gajate trabalhou para Kyotographie, Paris Photo, Photo Doc., e juntou-se em 2018 à equipe da Fundação Manuel Rivera-Ortiz como coordenadora de exposições em Arles e, desde 2020, participa da criação do evento parisiense Photo Days. Na Bretanha, ela fundou um festival ao ar livre BZH PHOTO, convidando um residente de um país diferente a cada ano, começando com Kodo Chiijiiwa em 2019 e Mårten Lange em 2020.

Carmen Dalmau, crítica e curadora independente (Espanha)

Datas: dias 25 e 26 de novembro na parte de tarde de 14h às 18h10

Portfólio: contemporâneos e autorais

Línguas: espanhol, português, italiano

Bio: Formada em História da Arte e História Moderna e Contemporânea. É curadora independente de exposição, crítica de arte, professora de História da Arte e Estética no Mestrado em Fotografia EFTI. Autora do blog de fotografia antevuestrosojos e colaboradora da revista de fotografia Clavoardiendo e da revista de pesquisa visual LUR e diretora da Galería Cero, em Madrid, há dez anos.

http://antevuestrosojos.blogspot.com.es/

https://clavoardiendo-magazine.com/

https://e-lur.net 

http://www.galeriacero.com/

Claudia Tavares, curadora independente (Brasil)

Datas: 25 e 27 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: inglês e português

Bio: Claudia Tavares é Doutora em Processos Artísticos Contemporâneos pelo Instituto de Artes UERJ, Mestra em Artes pela Goldsmiths College, Londres e em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes, UFRJ e formada em Comunicação Social pela FACHA, Rio de Janeiro.  Como artista visual, utiliza principalmente as linguagens da fotografia e do vídeo, em diálogo com desenhos, objetos e cadernos de artista. Participou de inúmeras exposições individuais e coletivas em diversos espaços, tais como Espaço Cultural Sérgio Porto, Sesc Pinheiros, Galeria Murilo Castro (BH), Plataforma Revólver (Lisboa), 291 Gallery (Londres) Galeria Cozinha, Porto/Portugal, Casa Museu Abel Salazar, Porto/Portugal, Galeria Tempo (Rio de Janeiro), Palácio das Artes em Belo Horizonte, Paço Imperial no Rio de Janeiro, além de feiras de arte como a SPArte, ArtRio e ArtBo (Bogotá).  Ganhou 3o prêmio com o vídeo “BláBláBlá”, na 9o Bienal Nacional de Santos 2004. Fez residência artística na Casa do Artista em Vila Nova de Cerveira, 2017/ programa de residência LabVerde, Amazonas,2018/ Artista residente no Festival de Fotografia de Paranapiacaba, 2019. Ganhou os prêmios Faperj Nota 10 e PDSE Capes, durante a pesquisa de doutorado chamada Um jardim em Floresta, que é também um filme curta-metragem, uma exposição de artes visuais e um livro-objeto.  Ganhou o primeiro lugar na categoria Outras Visões, o Prêmio Chico Albuquerque de Fotografia, da Secretaria de Cultura do Ceará, em 2019, com o mesmo Um jardim em Floresta. Vem pesquisando sobre foto-filmes, um forma de apresentação do trabalho autoral que une a fotografia à montagem cinematográfica.

Daniel Sosa, Centro de Fotografia de Montevidéu (Uruguai)

Datas: 25 e 26 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12h30

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: espanhol e português

Bio: Uruguaio nascido em 1971, o fotógrafo Daniel Sosa foi um dos criadores do Centro de Fotografia de Montevidéu, onde atua como diretor desde 2002, instituição dedicada à promoção e divulgação da fotografia do Uruguai e da América Latina. cdf.montevideo.gub.uy

Dante Gastaldoni, curador independente (Brasil)

Datas: 25 de novembro

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português

Bio: Dante Gastaldoni, 70, é jornalista e cientista social formado pela Universidade Federal Fluminense, com mestrado em Fotografia no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFF. Como jornalista, foi repórter, redator e editor do Jornal do Brasil (1974/1983) e diretor da Editora Gama Filho (1984/2011). Como professor, atuou na UFF (1980/2016) e, desde 1983, leciona na Escola de Comunicação da UFRJ. Entre 2004 e 2015 trabalhou como coordenador acadêmico na Escola de Fotógrafos Populares, na favela da Maré, RJ, cuja produção ganhou visibilidade em reportagens, livros e inúmeras exposições de fotografia exibidas no Brasil e no Exterior. Em 2015 criou o coletivo Fotografia, Periferia e Memória, composto basicamente por fotógrafos populares e, desde então, seus integrantes já se apresentaram em mais de 30 cidades de 13 estados brasileiros. 

Eder Chiodetto, curador independente e editor do Fotô Editorial (Brasil)

 

Datas: 27 de novembro, no período da manhã de 9h às 12h30

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português e espanhol

Bio: Eder Chiodetto é mestre em Comunicação pela ECA/ USP, jornalista, editor, professor e curador independente, tendo realizado mais de 120 exposições no Brasil e no exterior em instituições como Maison Européenne de la Photographie, Paris; Galeria Shisheido, Tokyo; Centro Cultural Recoleta, Buenos Aires; Museu de Arte Moderna de São Paulo, Caixa Cultural (SP, BSB, RJ), Paço Imperial (RJ), Palácio das Artes (BH), entre várias outras.  Atuou por treze anos na Folha de S.Paulo como repórter fotográfico, editor e crítico de fotografia. Atualmente é curador do Clube de Colecionadores de Fotografia do MAM-SP, publisher da editora de fotolivros Fotô Editorial, diretor do centro de estudos Ateliê Fotô e mentor do programa Arte na Fotografia, do canal televisivo Arte1.  É autor dos livros “O Lugar do Escritor” (Cosac Naify, 2002), “Geração 00: A Nova Fotografia Brasileira”(Edições Sesc, 2011), “Curadoria em Fotografia: da pesquisa à exposição” (Ateliê Fotô / Funarte, 2013) e “Ser Diretor: Uma viagem por 30 escolas públicas brasileiras” (Fotô Editorial, 2017), entre outros. Nos últimos anos editou livros de diversos fotógrafos brasileiros como Thomaz Farkas, German Lorca, Cristiano Mascaro, Araquém Alcântara, Luiz Braga, Rosângela Rennó e Eustáquio Neves, entre outros.

www.ederchiodetto.com.br

www.fotoeditorial.com

Eduardo Queiroga – Pequeno Encontro da Fotografia (Brasil)

Datas: dias 25, 26 de novembro na parte da manhã de 9h às 12h30

Portfólios: narrativas documentais ou conceituais, trabalhos com livros e exposições

Línguas: português e espanhol  

Bio: Fotógrafo e professor. Autor dos livros “Cordão” e “Coletivos fotográficos contemporâneos”. Cofundador da Escola Livre de Imagem e do Projeto FotoLibras de fotografia participativa com surdos. Fotografa parteiras tradicionais de Pernambuco desde 2008, trabalho que já se desdobrou em exposições e publicações. É doutor pelo PPGCOM-UFPE. É um dos idealizadores e coordenadores do Pequeno Encontro da Fotografia. Acompanha projetos de pesquisa artística junto a autores. www.eduardoqueiroga.com. Instagram: @eduardo_queiroga e @livrocordao.

Elda Harrington, curadora independente, Encuentros Abiertos – Festival de la Luz (Argentina)

Datas: dia 26 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: todo tipo de trabalho que não seja nem comercial nem foto- jornalístico

Línguas: espanhol e portunhol

Bio: Elda Harrington é uma curadora e educadora independente e tem sido envolvida na gestão cultural fotográfica há mais de 30 anos A Sra. Harrington é a diretora do festival argentino “Encuentros Abiertos” desde a sua fundação em 1989. Foi o primeiro festival na América Latina. Ela é a presidente da “Fundação Luz Austral” que organiza exposições na Argentina e no exterior, e muitas outras atividades. Ela curou ou coordenou inúmeras exposições e projetos em todo o mundo e dá palestras sobre a fotografia contemporânea argentina em muitos países. Na Argentina, ela foi curadora de exposições para a maioria dos museus de arte e culturais centros do país. Ela é a fundadora e diretora da “Escuela Argentina de Fotografía” a escola argentina de fotografia desde 1987. Trabalhou como consultora para o Ministério da Cultura da cidade de Buenos Aires e para departamento de Cultura do Ministério das Relações Exteriores da Argentina. Devido à sua expertise em fotografia, ela colabora com diversas instituições internacionais como o Centro de Recursos Fotográficos da Universidade de Boston, Prêmio Guggenheim, Prêmio FOA Paul Huf, Mois de la Photo de Paris, Encontros de Bamako (Mali), Aperture Foundation (NYC) além de inúmeras revistas. Ela revisou portfólios em muitas leituras de portfólios nacionais e internacionais e fez parte do júri de alguns concursos internacionais.

http://www.eaf.com.ar

http://www.encuentrosabiertos.com.ar

Eugênio Sávio, Festival Tiradentes (Brasil)

Datas: dia 25 de novembro pela manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português

Bio: Eugênio Sávio é fotógrafo e produtor cultural. Mestre em Comunicação e Cultura (UFRJ) e ex-presidente da Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil. Realiza os projetos “Foto em Pauta” e o “Festival de Fotografia de Tiradentes”, voltados à divulgação e fortalecimento da fotografia contemporânea no Brasil. 

Fredi Casco, editor do El ojo Salvaje (Paraguai)

Datas: 25, 26 e 27 de novembro de 16:20h às 18:10h

Portfólios: trabalhos relacionados à arte contemporânea, pesquisa histórica, e fotografia vernácula.

Línguas: espanhol, português, francês

Bio: Fredi Casco nasceu em 1967 no Paraguai, vive e trabalha em Assunção, Paraguai como artista visual e curador. Casco é cofundador de El Ojo Salvaje, Mês da Fotografia no Paraguai e membro do comitê editorial da revista Sueño de la Razón. Atualmente é diretor artístico da Fundação Texo para Arte Contemporânea. É também autor e co-autor dos documentários ¨Revuelta (s) ¨, ¨Mémoires Vives¨ e Como pez en el monte, para a Fondation Cartier pour l’art contemporain. Suas obras fazem parte das coleções da Kadist Foundation (San Francisco, CA), Metropolitan Museum of Art (Nova York, EUA), Fondation Cartier pour l´art contemporain (Paris, FR), Museu de arte do Banco da República ( Bogotá, COL.), Centro de Artes Visuales Museo del Barro (Assunção, PY), entre outros.

Glaucia Nogueira, Iandé (França)

Datas: dias 25 e 26 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português, francês e inglês

Bio: Glaucia Nogueira é co-fundadora da plataforma Iandê ( a fotografia brasileira na França). Sua missão : buscar mais espaço para a fotografia brasileira na Europa. Trabalha com imagem,  é diretora de filmes institucionais e fotógrafa.  Representou o Brasil no Forum Avignon da Cultura na França durante três anos consecutivos. Também é formada em história da Arte pela Escola do Louvre. No Brasil, foi diretora de criação de agência e passou a dirigir filmes publicitários em 2001 . Formada  em Comunicação pela PUCMG e em Cinema e Fotografia pela Universidade Federal de Minas. Gerais ( UFMG ).

Site: iande.fr

Ioana Mello, membro FotoRio e curadora independente (Brasil/ França)

Datas: dias 26 e 27 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12h30

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: inglês, francês, português e espanhol

Bio: É formada em publicidade e cinema e tem dois mestrados, um em história da arte pela PUC-Rio e outro em estética e história da fotografia pela Sorbonne, além de um MBA em mercado de arte pela Sotheby’s. Atualmente é curadora independente entre o Brasil e a Europa. Em 2018, organizou duas projeções e debates em Paris com fotógrafos brasileiros: durante o Paris Photo 2018 na Galeria “Art et Photos” e no centro cultural “Mains d’oeuvres” durante o festival “Un cri d’amour pour le Brésil”. Foi curadora da exposição coletiva “What’s going on in Brazil? “, durante o festival Rencontres d’Arles, na França, em 2019. Fez parte do júri do Prêmio Alliance Française Web Photo, foi professora na PUC-Rio e colabora com galerias, festivais e plataformas digitais. Faz parte da equipe do festival FotoRio desde 2015, escreve para algumas revistas, como as francesas Fisheye e Wedemain, e no momento está com dois projetos de livros em andamento.

Insta: @melloioana / site: photolimits.com

Jean Luc Monterrosso, curador independente (China/ França)

Datas: dias 26 e 27 novembro horário da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: francês e inglês

Bio: Criador do Mois de la Photo em Paris (1980), Jean-Luc Monterosso é o fundador da “Maison Européenne de la Photographie”, também em Paris, que dirigiu de 1996 a 2018. Autor de inúmeras publicações e curador de mais de uma centena de exposições, ele é agora diretor artístico do Museu da Imagem Contemporânea de Chengdu na China e Membro Correspondente da Academia de Belas Artes (Institut de França).

Joana Mazza, curadora independente (Brasil/Chile)

Datas: dias 25 e 26 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: ensaios que utilizem a fotografia como lenço poético, impregnados com proposições para uma reconstrução do humano ou que apontem a novos humanismos, particularmente aqueles articulados em questões latino-americanas. Não é necessário a presença de todos os aspectos listados e podem estar presentes de forma intencional ou intuitiva.

Línguas: português, espanhol e inglês

Bio: Joana Mazza é pesquisadora, curadora, produtora cultural e fotógrafa. Mestra em Arte, Pensamento e Cultura Latino Americana pelo Instituto de Estudos Avançados, da Universidad de Santiago de Chile. Formada em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ e pós-graduada em Fotografia como Instrumento de Pesquisa nas Ciências Sociais pela Universidade Cândido Mendes. Entre suas principais atividades destacam-se a coordenação de exposições do FotoRio (edições de 2003 a 2009), a coordenação do Programa Imagens do Povo (2010 a 2103), compreendendo também a Escola de Fotógrafos Populares de 2012 (Observatório de Favelas), e por fim, assistente de curadoria e direção no MAC de Niterói (2013 a 2015). Atualmente integra o grupo de pesquisa Interfluxos (PPGCA/UFF) e o Posthuman Latin American Network.

Joaquim Paiva, colecionador (Brasil)

Datas: 25,26, 27 de manhã de 9h às 12h30

Portfólios: fotográficos e fotolivros criativos e experimentais, em que o fotógrafo esteja comprometido com temas contemporâneos, qualidade e inovação

Línguas: português, inglês, francês e espanhol 

Bio: Joaquim Paiva, Rio de Janeiro 1946, fotógrafo e colecionador de fotografia brasileira e estrangeira contemporâneas desde a década de 1970, bem autor de diários autobiográficos e visuais desde 1998. Como artista, expôs e possui trabalhos no Museu da Memória Candanga em Brasília, Museum of Fine Arts Houston  USA, Centro de la Imagen, México DF e Maison Européenne de la Photographie em Paris. Autor de  livros de fotografia e fotolivros.  A maior parte de sua  coleção de fotógrafos está depositada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro desde 2005.

Juan Carlos Usnayo, editor do FOTOfest (Bolivia)

Datas: 26 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho com ênfase em trabalhos documentais, narrativas visuais e sem interesse comercial

Línguas: espanhol

Bio: Juan Carlos Usnayo é arquiteto e fotógrafo autodidata. Tem desenvolvido vários projetos, em diferentes sectores da população, que ensinam a linguagem da fotografia como ferramenta de comunicação. É júri em competições nacionais e professor de fotografia. É atualmente o diretor do Festival Internacional de Fotografia – FOTOfest Bolívia e diretor da Illa Ediciones, um projeto editorial independente.

Lola Mac Dougall, GoaPhoto (Índia)

Datas: dias 26 e 27 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: espanhol e inglês mas com alguma compreensão oral do português

Bio: Lola Mac Dougall é a diretora fundadora do GoaPhoto, um festival internacional de fotografia que usa residências particulares em Goa como palco para suas exposições. Ela foi anteriormente a diretora artística do festival JaipurPhoto, realizado em locais históricos na forma de exposições ao ar livre. Foi leitora de portfólio e júri do Festival Format (Derby, Reino Unido), Reminders Photography Stronghold (Tóquio) e do Cosmos PDF Award (Arles, França), Encontros da Imagen (Braga, Portugal) e Festival de Fotografia Biel / Bienne (Suíça). Seus escritos foram publicados no Indian Quarterly, Der Greif, The Hindu, American Suburb X. Lola tem um doutorado na Universidade Pompeu Fabra em Barcelona, com uma tese que falava das fotógrafas mulheres indianas.

Luisa González-Reiche, curadora independente (Guatemala)

Datas: dia 25 e 26 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: todos os tipos de trabalho

Línguas: espanhol, inglês e italiano

Bio: Luisa González-Reiche estudou arte e design no Art Institute of Philadelphia e História da Arte na Guatemala. Também é formada em Psicopedagogia e Educação com pós-graduação em Neurociências Educacionais. Ela completou o mestrado em História e Filosofia e se especializou em ensino de arte na Graduate School of Education da Harvard University. Como artista visual, expôs seus trabalhos na Guatemala e na Itália. Seu trabalho atual gira em torno da pós-imagem. Tem participado na produção de vídeos, direção de arte e criação de projetos audiovisuais e na curadoria de várias exposições artísticas. Co-fundadora e editora (2010 – 2012) da revista de arte e arquitetura RARA. Desde 2009, ela publica artigos sobre análise cultural, arte e filosofia em vários meios de comunicação locais e regionais. É colunista da mídia digital guatemalteca Plaza Pública. Participou de palestras e conferências sobre arte, cultura e filosofia, elaborou programas de mediação artística para museus locais e colaborou com o programa educacional do Museu de Arte Contemporânea de Santa Bárbara, Califórnia. Como professora universitária, ministra cursos de filosofia, teoria da imagem, metodologia de pesquisa e pedagogia. Dirige diversos projetos de reflexão teórica e pesquisa prática pautada pelo pensamento descolonial e pós-humano.

Maíra Gamarra, curadora independente (Brasil)

Datas: dia 25 de novembro, de 11:20h às 12:30h e de 14h às 15:50h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português e espanhol

Bio: Maíra Gamarra é fotógrafa, curadora, editora, produtora cultural e pesquisadora. Bacharel em comunicação social/fotografia e mestra em Estudos Latino-Americanos. Foi coordenadora de operações do Museu Paço do Frevo e gerente de projetos na Art.Monta Design, especializando-se na elaboração, gestão e montagem de projetos, eventos e exposições artísticas. É curadora do Mira Latina, laboratório de acompanhamento de projetos, onde desenvolve pesquisas e intercâmbios com fotógrafas e fotógrafos da América Latina. É cocriadora e cocuradora do coletivo 7Fotografia e do festival Mesa7. Atualmente, atua como pesquisadora convidada no projeto Redlafoto, do Centro de Fotografia de Montevidéu.

Links: instagram.com/gamarra.maira / www.miralatinalab.com instagram.com/miralatinalab

Marcel del Castillo, ESPACIOGAF Imagen + Arte (México)

Datas: dias 25, 26 e 27 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12h30

Portfólios: todo tipo de trabalho artístico sem intenção comercial

Línguas: espanhol

Bio: Marcel del Castillo (Caracas, 1974) vive e trabalha em Monterrey, México. Artista visual, curador e professor. Seu trabalho foi exposto e reconhecido em espaços de arte, festivais e chamadas na América e na Europa. Coordena a plataforma curatorial ESPACIOGAF Image + Art. Professor e tutor dos programas educacionais do CONARTE e do LCI University. Como curador, júri, revisor de portfólio e palestrante, ele participou de eventos marcantes como a XXII Bienal de Artes Visuais Héctor Rojas Meza, III Bienal de arte contemporânea Universidad de los Andes, XVII Bienal de Fotografia do México no Image Center, III Concurso Nacional de Fotografia da União Europeia na Venezuela, Encontro de fotografia Reflected Looks na Universidade Tecnológica do Peru; XV, XVI e XVIII Encontro de Fotografia de Monterrey, Festival Nuevo León Foto 2018 e 2019 no México e o Festival de fotografia experimental CALIFOTOFEST na Colômbia 2020. Criador e curador do Festival MERIDAFOTO na Venezuela entre 2013 e 2016. Publicou os livros  “A solidão dos objetos”, “ida e volta” e “em construção”, além de produzir o podcast Pensar a imagem. Instagram @marceldelcastillo, Twitter @mardelcastillo, Facebook @marceldelcastillo

Marcelo Campos, curador independente (Brasil)

Datas: dia 27 de novembro de 9h às 10:50h

Portfólios: todos o tipo de trabalho

Línguas: português

Bio: Professor associado do Departamento de Teoria e História da Arte do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e dos Programas de Pós-Graduação em Artes e em História da Arte (PPGArtes – PPGHA). Curador do Museu de Arte do Rio (MAR). Membro dos Conselhos do Paço Imperial e do Museu Bispo do Rosário de Arte Contemporânea. 

Marcia Mello, curadora independente (Brasil)

Datas: dias 26 e 27 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: todo tipo de trabalho com ênfase em séries documentais e séries com propostas mais conceituais

Línguas: português, francês e espanhol

Bio: Marcia Mello é bacharel em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisadora, curadora e conservadora de fotografia. Prestou serviços para instituições públicas e privadas como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1986/1997), o Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da FUNARTE (1987/1997) e o Arquivo Nacional (2003/2005). De 2006 a 2015 foi diretora-curadora da Galeria Tempo (RJ). Como pesquisadora, participou das exposições exibidas na Maison Européenne de la Photographie em Paris: Alair Gomes ”A new sentimental journey”; Celso Brandão “Caixa- preta”. Autora dos livros “Só existe um Rio” (Andrea Jakobsson Estúdio, 2008) e “Refúgio do olhar, a fotografia de Kurt Klagsbrunn no Brasil dos anos 1940”, (Casa da Palavra, 2013) ambos em parceria com Mauricio Lissovsky. Entre suas atividades, destaca-se a curadoria de exposições no Espaço Cultural BNDES (Artesania Fotográfica – a construção e a desconstrução da imagem”). No Paço Imperial (RJ) curou mostras individuais de Walter Cravalho, Amador Perez, Antonio Saggese, Luiz Baltar, e foi co-curadora de exposições realizadas no Museu de Arte do Rio entre outros espaços institucionais na cidade do Rio de Janeiro e São Paulo. Suas atividades mais recentes são a curadoria da exposição “Duplo Olhar – pintura e fotografia modernas brasileiras” em exibição na Casa Roberto Marinho e “Ortiz Rubio Alexim, registros afetivos dos anos 50” no Gabinete de Leitura Guilherme Araújo, ambas no Rio de Janeiro. Está preparando uma individual de Milton Montenegro para o Espaço Cultural BNDES a ser inaugurada no mês de maio de 2020. Tem participado regularmente como leitora de portfólio nos diversos festivais de fotografia realizados no Brasil e organizado debates em torno da fotografia.

Maria Aldaz, diretora Casa Dominga (Uruguay)

Datas: dia 25 de novembro de 10:20h às 11:50h

Portfólios: trabalhos que lidam com arquivos familiares, fotografia documental, que tenham relação com a mulher e seu contexto.

Línguas: espanhol

Bio: Maria Mercedes Aldaz é fotógrafa, nascida em San José, Uruguai, 1975. Estudou ciências empresariais (UDELAR), gestão cultural (Universidade Nacional de Córdoba) e fotografia antropológica (AVTM). Tem formação fotográfica na Dimensão Visual, Centro de Fotografia Montevidéu, Laboratório Place, Photo Clube Uruguaio, entre outros. Participou de três exposições individuais e de diversas coletivas em todo o país, assim como internacionalmente. Foi júri em concursos de fotografia organizados pela Associação Rural, The Association dos Arquitetos de San José e do Governo Departamental de San José. Foi selecionada e premiada pelos Fundos Competitivos de Cultura MEC 2015, no projetos, “MIJO Postales del Uruguai” e “Oficina Experimental para Crianças”, na escola 60 de Mal Abrigo. Foi selecionada e premiada pelos Fundos Competitivos Regionais para a cultura MEC 2017, no projeto “ALBÚM FAMILIAR JOSEFINO”, editando o foto livro que aborda temas como memória e fotografia como forma de explorar a identidade. Seu trabalho também aborda o meio rural de San José Uruguai, focando principalmente a presença da mulher nesse contexto. É um registro que oscila entre o documental e o poético. É cofundadora e organizadora do Festival Internacional de Fotografia San José Foto, que ocorreu em abril de 2014, 2016, 2018 na cidade de San José de Mayo. www.sanjosefoto.uy. Atualmente administra o espaço cultural Casa Dominga com uma forte proposta de formação fotográfica. www.casadominga.com.uy

Datas: dia 27 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: histórias visuais esquecidas e o uso da fotografia e da cultura visual para amplificar vozes abafadas e pouco representadas

Línguas: inglês

Bio: Mariama Attah é uma curadora de fotografia, editora e conferencista com um interesse particular em histórias visuais esquecidas e o uso da fotografia e da cultura visual para amplificar vozes abafadas e pouco representadas. Mariama é curadora da Open Eye Gallery, em Liverpool. Anteriormente, ela foi editora assistente da Foam Magazine e curadora da Photoworks, onde foi responsável pelo desenvolvimento e curadoria de programas e eventos, incluindo a Brighton Photo Biennial. Ela também trabalhou como editora executiva e gerente da revista anual Photoworks Annual.

Monica Maia, Doc Galeria (Brasil)

Datas: dia 25 de novembro

Portfólios: fotografia documental, incluindo temas pessoais e conceituais, mas com essa pegada de “contar uma história”

Línguas: português

Bio: Mônica Maia é editora de fotografia, curadora e produtora cultural. Sócia da DOC Galeria, espaço expositivo com foco na fotografia documental, inaugurado em 2012. Foi fotógrafa dos jornais O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde [1987/1990] e Editoria de Fotografia da Agência Estado [1990/2007]. Coordenou a Fotografia do Núcleo de Revistas da Folha de S.Paulo [2008/2011]. Em 1999 foi a primeira brasileira a ser jurada do World Press Photo, desde então é membro do Joop Swart Masterclass. Foi curadora do 3º Encontro de Coletivos Fotográficos Íbero-Americano, que aconteceu na cidade de Santos, São Paulo [2014]. É jurada e curadora do Programa Nova Fotografia do MIS-SP [2019/2020]. Participa da Mostra SP de Fotografia desde 2011 como Produtora Executiva e Curadora. Foi gestora da Galeria Nikon [2014/2016]. Em 2015 lançou a “Foto Feira Cavalete”, projeto de venda de imagens e fomento da fotografia. Desde 2012 produziu ou fez a curadoria de mais 30 exposições, entre elas duas mostras vencederes do edital do Proac com um projeto dedicado a Mulheres Fotógrafas e outro no Centro Cultural São Paulo. Foi contemplada na Funarte São Paulo e Caixa Cultural do Rio de Janeiro e Salvador. É jurada de prêmios e convocatórias. Atua em leituras de portfolios e acompanhamento de projetos. Integra a diretoria da Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil.

 

Paulo Marcos de Mendonça Lima, membro do FotoRio e Ateliê Oriente (Brasil)

Datas: dias 26 e 27 de novembro, no período da manhã de 9h às 12h30 e da tarde de 14h às 18h10

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português e inglês

Bio: Paulo Marcos de Mendonça Lima (Rio de Janeiro). Fotógrafo profissional desde 1980. Curador, editor, professor e produtor cultural. Formado em Fotografia pelo Brooks Institute, EUA, e em Jornalismo pela UniverCidade, RJ, foi editor de fotografia de 1992 a 2006 dos Jornais O Globo, Lance! e O Dia. Coordenou o curso de cinema da UniverCidade entre 2008 e 2010. Publicou vários livros, entre eles Kuruap Quarup, com apresentação de Antônio Callado e prefácio de Milton Guran (2007); Da Minha Porta Vejo o Mundo (2017) e Guardiões da Alma Carioca (2019), com textos de Aydano André Motta. Participou de cinco edições das 8 edições do projeto A Imagem do Som no Paço Imperial (Rio de Janeiro). Participou em exposições coletivas e individuais no Brasil e no exterior, como Brazilian Faces, Museu Ludwig, Colônia, Alemanha (2005) e as individuais Xingu, na Galeria Candido Mendes, Rio de Janeiro (1992) e no Museu da Imagem e do Som-SP (1994); Kuarup, na G-32, Londres (2006) e Perimetranse, no Museu Histórico Nacional (FotoRio-2015). Em 2017 foi co-curador do Festival Paraty em Foco, onde tem sido leitor de portfólios. Desde 2016 é, junto com Kitty Paranaguá, diretor do Ateliê Oriente, onde já realizaram mais de 500 eventos (cursos, oficinas, debates, projeções, feiras, residências e festivais) de artes visuais, fotografia e cinema. É coordenador de exposições e membro do grupo gestor do FotoRio.

Rodrigo Gomez Rovira, Diretor do Festival Internacional de Fotografia de Valparaíso – FIFV (Chile)

Datas: 25 e 26 de novembro pela parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: trabalhos com intenção narrativa e cuja proposta estética tenha relação com um discurso

Línguas: espanhol e francês

Bio: Rodrigo Gómez Rovira é fotógrafo, editor e diretor do festival de Valparaíso (FIFV), no Chile.  Se ainda está preso à dimensão documental de sua obra, Rodrigo Gómez Rovira sempre dá uma dimensão literária à sua obra. Porque, em última instância, o tempo e a memória estão no centro de suas preocupações e orientam os conjuntos de imagens que faz como histórias que são, por sua vez, poéticas e narrativas, emocionais e descritivas. O livro é, naturalmente, a forma privilegiada de expressão daquele que foi cofundador em 2010 e hoje dirige o Festival Internacional de Fotografia de Valparaíso (FIFV), encontro dedicado à criação fotográfica.

Rony Maltz, Editor-assistente da Revista ZUM e {Lp} press (Brasil)

 

Datas: dia 25, 26 e 27 de novembro de 10:20 à 12h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português, inglês e espanhol

Bio: Rony Maltz é artista visual e professor, doutorando em Linguagens Visuais pela EBA/UFRJ e Mestre em Fotografia pelo ICP-Bard College. Criou o selo {Lp} press, especializado na edição e produção de livros de fotografias. Seu livro Vila Autódromo, Rio de Janeiro ganhou o terceiro prêmio no Fotobookfestival Kassel Dummy Awards 2019, da Alemanha, e Riocites foi selecionado no mesmo festival e no 10×10 AWAKE, dos EUA, em 2017. Os fotolivros foram exibidos em festivais em Istanbul, Moscou, Lodz, Roma, Madrid, Dublin, Nova York, entre outros. Curador, com Leandro Pimental, da exposição de LIVRO LIVRE, em Arles, na França, em 2019. Produtor da Feira URCA de Fotolivros de 2014 a 2018, e curador das exposições O Erro, a Rua e {Livros Possíveis}, no Ateliê da Imagem. Atualmente é editor-assistente da Revista ZUM, do Instituto Moreira Salles.

Sérgio Burgi, IMS (Brasil)

Datas: dia 26 de novembro de 9h às 11h e de 14h às 16h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: português, inglês e portunhol

Bio: Sérgio Burgi é formado em Ciências Sociais pela USP em 1981, ano em que ingressou no curso de Mestrado em Conservação Fotográfica da School of Photographic Arts and Sciences, do Rochester Institute of Technology (EUA) onde obteve em 1984 os diplomas de Master of Fine Arts in Photography e Associate in Photographic Science pelo Rochester Institute of Technology. Foi coordenador do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da FUNARTE entre 1984 e 1991. É membro do Grupo de Preservação Fotográfica do Comitê de Conservação do Conselho Internacional de Museus (ICOM) e desde 1999 coordena a área de fotografia do Instituto Moreira Salles, principal instituição voltada para a guarda e preservação de acervos fotográficos no Brasil.

Sérgio Moraes, Chefe de fotografia da Reuters para o Brasil (Brasil)

Datas: dia 25 de novembro

Portfólios: fotojornalismo e documental

Línguas: português e espanhol

Bio: Filho, irmão, tio e pai de fotógrafos, Sérgio começou sua carreira como freelancer para as revistas Exame e Veja em 1980. Depois passou pelas redações da Folha de São Paulo, revista Isto É, Jornal do Brasil e O Globo. Chegou à Reuters em 1995, com base em Brasília. Deixou a Reuters em 1997 para uma passagem pelo maior diário de esportes do Brasil, Lance, até retornar à Reuters para assumir a cobertura do Brasil no Rio em 2001. Sérgio é apaixonado por fotos de esporte e veterano de várias Olimpíadas e Copas do Mundo.

Silvia Mangialardi, Fundação Luz Austral (Argentina)

Datas: dia 27 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: todo tipo de trabalho que não seja comercial

Línguas: espanhol e inglês

Bio: Silvia Mangialardi dirigiu Fotomundo, revista de fotografia argentina fundada em 1966, de 1984 a 2012. Ela editou inúmeros livros e foi curadora de várias exposições de projeção nacional e internacional. É autora dos textos para os livros de diferentes autores, entre os quais “Mar del Plata: Inferno ou paraíso ”Ataulfo Pérez Aznar,“ Nunca antes da meia-noite ”por Adriana Groisman editado pela Ediciones Lariviere e o trabalho de Elda Harrington “Mas Deus está à espreita nas fendas.” Como jornalista, entrevistou muitas das figuras mais importantes da fotografia contemporâneo como Joel Peter Witkin, Martin Parr, Agnes de Gouvion Saint- Cyr, Willy Ronis, Jack Delano e os argentinos, Ataulfo Pérez Aznar, Eduardo Medici, Sara Facio, para citar apenas alguns. Desde 2010 é responsável pela direção artística dos Encuentros Abiertos – Festival de la Luz. Atualmente é diretora artística da Fundação Luz Austral.

Simone Rodrigues, curadora independente, NAU editora (Brasil)

Datas: dia 27 de novembro na parte da tarde, de 14h às 18:10h

Portfólios: trabalhos de artistas-pesquisadores, séries e ensaios poéticos, políticos e linguagens híbridas.

Línguas: português e inglês

Bio: Simone Rodrigues é artista visual, educadora e editora. Há 25 anos trabalha com projetos que vinculam produção, ensino e exposições/publicações na área de arte e fotografia. Cofundadora da Agência Foto in Cena e do Ateliê da Imagem Espaço Cultural. Desde 2008, é diretora da NAU editora, onde coordena a produção de livros de ciências humanas, arte e fotografia. Mestre em História Social da Cultura pela PUC-Rio, com pesquisa sobre a dupla tradição artística e documental da Fotografia Moderna no Brasil. Paralelamente, dedica-se aos seus projetos autorais, que incluem vídeos, instalações e projetos colaborativos. Realizou duas exposições individuais e participou de diversas coletivas no Brasil e no exterior. Realizou o resgate (pesquisa histórica/exposição/livro) da obra A Pintura em Pânico, do artista de Jorge de Lima, com as primeiras fotomontagens produzidas no Brasil. Desde 2014 vem desenvolvendo o projeto Nomes do Amor, uma série de retratos de casais e famílias LGBTQI+, com o qual integrou a exposição coletiva “What’s going on in Brazil?”, no festival Rencontres d’Arles, na França, em 2019 e atualmente em exposição no MAR – Museu de Arte do Rio (Exposição Casa Carioca).

www.simonerodrigues.com.br

www.nomesdoamor.com

www.naueditora.com.br

Sinara Sandri, FestFoto (Brasil)

Datas: 25, 26 e 27 de novembro na parte da manhã de 9h às 12h30

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: espanhol, português e inglês

Bio: Jornalista, doutora em Comunicação e Mestre em História. Diretora e curadora do FestFoto. Coordenadora da Plataforma Internacional de Leituras de Portfólio FestFoto. Dedica-se ao estudo da visualidade urbana com particular atenção a trabalhos fotográficos sobre o impacto do confinamento nos espaços urbanos.

Tiago Santana, Fotofestival SOLAR e Editora Tempo d’Imagem (Brasil)

Datas: 25, 26 e 27 de novembro na parte da manhã, de 9h às 12:30h

Portfólios: todo tipo de trabalho

Línguas: espanhol, inglês e francês

Bio: Tiago Santana é fotógrafo e editor, atua desde 1989 desenvolvendo ensaios pelo Brasil e América Latina.  Em 1994 recebeu a Bolsa Vitae de Artes com o projeto Benditos, livro publicado em 2000; e o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, em 1995. Em 2007 ganhou os Prêmios Conrado Wessel de Ensaio Fotográfico e APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte, pelo ensaio O Chão de Graciliano. Ganhou o prêmio O Melhor da Fotografia no Brasil em 2007, 2008 e 2009. Em 2010 recebeu o Prêmio Porto Seguro Brasil de Fotografia. Em 2011 teve seu trabalho publicado na coleção francesa Photo Poche. Em 2014 publicou o livro Céu de Luiz. É diretor artístico do Fotofestival SOLAR e fundador da Editora Tempo d’Imagem em Fortaleza, no Ceará.

Observações

• As leituras de portfólio serão feitas pelo zoom
e enviaremos instruções durante o processo.
• Cada leitor poderá receber informações prévias das séries fotográficas que serão apresentadas.
• É responsabilidade de cada fotógrafo a pontualidade e uma conexão segura de internet.
• Caso haja necessidade de tradução, entrar em
contato conosco, temos um time de tradutores
voluntários, disponíveis em alguns horários.
• Qualquer dúvida entrar em contato pelo email
fotorio.leitura@gmail.com

Informações

Data: 25 a 27 de novembro
Horário: 9h às 12:30h / 14h às 18:10h
(UTC/GMT -03:00)
Plataforma: Zoom

Inscrições

ENCERRADAS