Skip to content Skip to footer

Mato adentro

O trabalho de Federico Ríos Escobar apresenta uma extensa documentação sobre o interior da Colômbia, a partir de longas e recorrentes incursões a diferentes regiões do país. Inicialmente com foco na questão do conflito armado, as viagens o levaram a observar outros temas, como a dificuldade de conexão e transporte fora dos grandes centros urbanos, a questão do meio ambiente, e, ainda, sobre relações de gênero nesses espaços em disputa.

Para maiores informações sobre a obra de Federico Ríos Escobar, favor acessar www. https://www.federicorios.net.

 

Comentário de Erika Tambke – Curadora

Para nós, brasileiros, é muitas vezes distante entender as relações sócio-políticas da nossa vizinha Colômbia. Em parte se explica por falta de conhecimento sobre os demais países da nossa América Latina. Assim como entender o Brasil depende de muitas camadas e o domínio de muitos temas, não seria diferente com outras sociedades, cada uma com a sua própria complexidade derivada de uma história e geografia singular.

Nos jornais internacionais é comum ler sobre as FARC – Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia. O quanto conseguimos apreender dessa leitura é uma dúvida. Quando chegamos à notícia, já temos uma série de informações truncadas a respeito. Além disso, muitas reportagens tendem a repetir uma história que já lemos antes, tipificando mais do que aprofundando questões.

Conhecer o trabalho de Federico Rios Escobar é instigante justamente por nos trazer outros relatos sobre as FARC. Por anos o fotógrafo tem se dedicado a acompanhar diferentes grupos armados baseados na selva amazônica. São dias para viajar desde Medellín, sua moradia, até onde eles se localizam e atuam. Podemos imaginar o quanto é custoso e arriscado este tipo de documentação.

Os registros nos levam a dar rostos a essas pessoas. Podemos não entender suas razões, a fotografia não precisa dar conta de tudo, mas passamos a ter outras informações: a presença feminina expressiva, os pertences de cada um, os momentos coletivos, bebês em seus primeiros meses de vida, ou menores de idade que vestem o uniforme camuflado; as diferentes cenas de cotidiano em uma paisagem de mata fechada e profunda.

Em 2016, foi organizada uma consulta popular a favor ou contra o desarmamento. 50,2% votaram pelo não desarmamento, resultado de uma campanha política controversa que estimulou as ambiguidades em vez do esclarecimento de cada proposta. Apesar disso, acordos de paz tiveram continuidade entre o governo federal e as FARC, que passou a ser um partido político em 2017 com o nome Forças Alternativas Revolucionárias do Comum, ou simplesmente, “Comunes”. Mesmo assim, as práticas de guerrilha não terminaram e seguem com algumas frentes dissidentes.

Nesta exposição o confronto bélico está evidente nas fotos por diversos elementos ilustrados nas imagens. Mas fazemos um outro tipo de convite: o de se adentrar um pouco mais nesse verde universo e olhar para quem está sob a farda. Seguiremos com esperança pelos dias de paz.

Erika Tambke – Curadora
Texto do Federico Rios Escobar

Verde. Tudo era verde, o rio, a selva e o céu também.

Cada viagem foi um salto à incerteza: contatos clandestinos, mensagens em código, lugares sem nome no mapa, travessias eternas na canoa, moto, mula e a pé. Dias divagando pelas montanhas e os rios da Colômbia.

Já não sei quantas vezes pendurei e retirei a minha rede. Esta foi a minha casa na selva durante muitos anos. Frio, calor, chuva ou sol. Deitei na rede quando estive doente e usei como refúgio nos meus momentos de angústia. Muitas noites olhei para o céu desesperado e com medo, outras eu dormi confiando na esperança de paz. Sempre embalado pelo som da brisa nas folhas das árvores, o som de um rio e cercado pela selva, eu temia que o estrondo de uma bala ou bomba explodisse na noite e destruísse tudo.

Cada passo e cada foto me desafiaram, hesitei e tremi. Não estou de acordo com o uso das armas em nome da paz e da justiça.

As condições que motivaram a origem desta guerrilha não se resolveram. Muitas regiões seguem abandonadas e não tem uma resposta do Estado aos temas básicos como saúde, educação, moradia, terras, meio ambiente e sustentabilidade.

Hoje, cinquenta e sete anos depois de ter começado a guerra e com um acordo firmado que propõe uma rota para caminhar até a saída do conflito, a desigualdade e o medo são cada dia piores. As vítimas e aqueles que dispararam as armas são quase sempre irmãos de uma mesma classe: pobres, filhos de outros pobres. Aqueles que enriquecem com a guerra não parecem dispostos a maiores mudanças.

Na Colômbia, a morte e o deslocamento forçado se converteu em uma paisagem cotidiana, em manchetes de jornal, em cifras de relatórios burocráticos.

Quero enviar um abraço a todas as vítimas das violências, aos que choram seus entes queridos, aos que tentam continuar adiante apesar de morar em um país que tem visto a violência e sangue durante décadas e que a única constância é o medo. Quero dedicar estas páginas com respeito e amor, por sua dignidade e por aqueles que já não estão.

Federico Rios Escobar
Texto publicado no livro Verde, de Federico Rios Escobar

Navegação de visuais

Navegação do visual Evento

Hoje

Calendárior de Eventos

D dom

S seg

T ter

Q qua

Q qui

S sex

S sáb

1 evento,

O Caminho”, das artistas Pauline Rousseau e Kamila K Stanley

0 eventos,

0 eventos,

0 eventos,

0 eventos,

0 eventos,

0 eventos,

0 eventos,

There are no upcoming events at this time

There are no upcoming events at this time

There are no upcoming events at this time

There are no upcoming events at this time

There are no upcoming events at this time

Newsletter

Assine e receba e-mails com novidades sobre nossos eventos, posts do blog, exposições e outros assuntos.